Ver com as mãos {Bruschetta de pêssego e queijo feta}

“Meninos, não se vê com as mãos.”

Quantas vezes ouvimos esta frase? E quantas vezes a repetimos?

Recordo-me de ser criança e querer mexer no que estava a ver, mas havia sempre esta frase em forma de reprimenda. O desejo de tocar era enorme, mas tínhamos de andar de mãos nas costas, porque “ver, é com os olhos”. Às vezes a vontade de cheirar também existia, e com as mãos atrás das costas aproximava-me do objecto e tentava cheirá-lo, mas sem a possibilidade de tocar, nenhum dos outros dois sentidos eram potenciados. Esperava que os meus pais não estivessem a olhar para mim, e muito levemente tentava sentir o dito objecto.

Como adultos “responsáveis” que somos temos de fazer estas chamadas de atenção. Mas a ideia de que “não se vê com as mãos” é a maior mentira que podemos dizer aos nossos filhos.

Claro que se vê com as mãos. O tacto é dos sentidos mais importantes que nos complementa a visão. E esta forma que temos, impregnada na nossa sociedade, de educar cria-nos repulsas que depois não as queremos ter. 

Sentir alimentos, texturas. Sujar. Mexer, cheirar, tocar. Abraçar. Inspirar. Dar a mão. Corpo com corpo. Espreguiçar.
Para mim sempre foi importante deixar as minhas filhas mexerem na comida. Coloco uma protecção por baixo da cadeira enquanto são bebés e deixo-as mexerem. Tenho uma grande convicção de que isso as ajuda a gostar mais da comida e a relação que elas têm com os alimentos é cada vez mais de respeito, de admiração e profundo apreço. Quanto mais tempo passa, mas certeza tenho de que essa é uma das grandes chaves para conseguirmos que os nossos filhos comam de tudo.
Por isso, para mim ver não é só com os olhos. Ver é com as mãos, com o cheiro, com o sabor, tal como acontece quando nos apaixonamos. A relação com a comida tem de ser igual à relação entre dois apaixonados.

Esta é daquelas receitas que é para comer à mão. Primeiro pegamos na bruschetta e sentimos a textura do pão estaladiça, depois cheiramos o aroma da mistura do queijo feta com o doce do pêssego, as o doce e o salgadop fazem-se sentir só pelo cheiro e só depois é que trincamos, conseguindo assim a explosão de sabores, o agridoce com as notas ácidas do vinagre balsâmico.

Bruscheta de pêssego em redução balsâmica e queijo feta

Ingredientes:


1 pão de cereais fatiado (350g)
1 dente de alho
Azeite extra virgem
2 pêssegos
3 colheres de sopa de açúcar
50mL de vinagre balsâmico
100g de queijo feta
Rebentos de aipo q.b. (pode substituir por tomilho)
Sal q.b.

Preparação:

Torrar as fatias de pão numa frigideira com o azeite. Barrar o dente de alho em cada fatia de pão.
Num tachinho, colocar o pêssego, o açúcar e uma pitada de sal. Deixar ferver e reduzir para lume baixo. Depois de 30 minutos, retirar a tampa, aumentar o lume, regar com o vinagre balsâmico e deixar reduzir até obter a consistência de compota. Colocar migalhas de queijo feta por cima das fatias de pão, cobrir com o pêssego e decorar com os rebentos de aipo.

Esta receita foi criada para o programa especial de verão do Porto Canal, o Grandes Manhãs. É sempre uma honra pertencer à equipa do Grandes Manhãs. Podem ver aqui os vídeos e as duas receitas que apresentei:
Ver com as mãos {Bruschetta de pêssego e queijo feta} Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Nome *