Pesto de espinafres e pistácios

Como sabem sou formada em design gráfico. E ainda na universidade aprendi os 10 fundamentos/ princípios do bom design do Dieter Rams. O Dieter Rams é um designer industrial, foi o grande designer da Braun. O seu trabalho sempre primou por uma simplicidade incrível, sempre com o factor “wow” em todas as peças que desenvolvia. Foi dos principais responsáveis por alterar a cor dos electrodomésticos da cozinha para a cor laranja nos anos 70. Um dia perguntaram-lhe se ele achava se o design dele era um bom design e ele respondeu no que se tornou até aos dias de hoje como a lista dos 10 princípios fundamentais para a criação do bom design. Que são:

1. O bom design é inovador
2. O bom design faz um produto ser útil
3. O bom design é estético
4. O bom design ajuda a entender o produto
5. O bom design é discreto
6. O bom design é honesto
7. O bom design é durável
8. O bom design é meticuloso
9. O bom design é ambientalmente correto
10. O bom design é o menos design possível

Claro que nem todos os princípios se aplicam ao que tento fazer na minha cozinha, mas falo-vos destes princípios porque, para mim, o último rege a minha vida em quase tudo. O menos é mais. O simples é o melhor. Menos, mas melhor – porque se nos concentrarmo-nos nos aspectos essenciais, e os não carregarmos os produtos com detalhes não essenciais. É um retorno à pureza, retorno à simplicidade.
E aqui aplica-se a 100% à culinária. Usar os alimentos da época e deixá-los falar por eles próprios, permitirem ser o rei da festa. A junção de poucos ingredientes muitas vezes a explosão de sabor é incrível. Sentir o verdadeiro sabor dos alimentos é fundamental. (Experimentem fazer isso também na vossa vida. Sentir o beijo profundo sem esperar mais nada. Sentir o abraço e inspirar para sentir o perfume dos cabelos. Levar a(o) filha(o) à escola e saborear o momento simples em que ela(e) nos sorri e diz “bom dia mamã”. O menos é mais… oh se é! Para mim, são estes pequenos momentos que me fazem dizer que sou muito feliz.)

E hoje trago-vos uma receita assim, em que o menos é mais e muito, muito mais.
Um pesto simples, fácil e hiper saboroso.

Este molho pesto não é o original. O original é de manjericão e pinhões. O molho pesto originalmente foi criado em Itália, mais especificamente em Ligúria, região onde o manjericão era muito abundante. Na época (sec. XIX) onde por falta de equipamentos tecnológicos era frequente esmagar os alimentos para fazer deles pastas e papas, começou-se a criar este molho para juntar às massas secas. O que perdura até hoje. Diz-se que para o molho pesto de manjericão não devemos usar o processador de alimentos (robot de cozinha) pois com a temperatura que as lâminas atingem o azeite cozinha o manjericão. Para isso, basta reduzir a velocidade do processador e já não atingimos temperaturas mais quentes.

Este que vos trago é uma das imensas variantes do molho pesto original. Eu adoro espinafres, pelo que este é dos meus favoritos. Para além de tudo o que é fundamental em qualquer receita é a qualidade dos produtos que usamos. Por isso aconselho a um bom molho de espinafres, de preferência biológicos. Dentes de alho bem perfumados, um excelente parmesão. E, por fim, um azeite de qualidade. Eu hoje usei a garrafa de azeite que um querido amigo me ofereceu no Natal. É um azeite produzido por ele e é realmente, delicioso. Acompanhei o processo dele, desde a ideia até à produção final. E gosto de tudo, do nome, do logótipo e, claro, do azeite. É delicioso. Vejam aqui: www.casadoruco.pt.

Pesto de espinafres e pistácios
(receita adaptada de Mon Cours de Cuisine / Les Basiques)
Ingredientes:
200g de espinafres
75g de azeite extra virgem
2 dentes de alho
1 c. de chá de sal
2 c. de sopa de pistácios
25g de parmesão ralado
Preparação:
Coloque tudo num processador de alimentos ou robot de cozinha em velocidade média, de forma a que triture tudo, mas sem aquecer.
Na bimby programe (20seg/vel4,5).
Qualquer molho pesto combina super bem com massas. 
Basta cozer a massa e no final colocar 2 colher de sobremesa de pesto na massa. Mexer bem e devorar… hummm Simples, mas tão bom!!!!
Pesto de espinafres e pistácios Comentários
  1. Adoro pestos! Rúcula e avelã é dos meus preferidos, mas o de beterraba e nozes também me rouba o coração. Por vezes uso parmesão mas confesso que o queijo da ilha é o meu predilecto. Acho que os pestos ficam mais aportuguesados 🙂
    Já fiz de espinafres e pecan e resultou muito bem, mas agora que vi a tua sugestão dos pistácios já nem consigo pensar noutra coisa! Esta semana vamos ter pesto cá em casa (lá vou eu alterar o menu da semana LOL)

  2. não conhecia essa lista nem tão pouco o senhor (já deu para perceber que não sou designer) mas como consumidora concordo com todos :))
    para mim na cozinha less is more como esta tua receita de pesto de deve ser uma maravilha!

  3. Esta combinação não conhecia mas aposto que será tão boa como a original.Eu adoro pesto e costumo fazer de rúcula com nozes mas a ideia dos pistachios é uma que vou copiar!!!
    Bjoka
    Rita

  4. Adoro pesto mas cada vez te adoro mais 🙂
    Adoro ler-te!!! Sabe tão bem!!! E depois para além da bela leitura temos o direito a imagens fantásticas. Só me fazes bem 🙂
    As coisas simples é o que mais gosto.

    Já te disse que te adoro?!!!

  5. Olá Maria João, não conhecia esta lista, apesar de estar ligada ao design, de certa forma. Também concordo com a importância das pequenas coisas, dos pequenos e tão maravilhosos momentos.
    Quanto ao pesto, adorei. Gosto muito de pesto, o teu ficou com uma cor e um aspecto fabuloso!
    Bjinhos

  6. Tem um óptimo aspecto e não vai passar deste fim de semana sem experimentar, desculpa a ignorância, mas este pesto pode ficar guardado no frigorifico quanto tempo ?

  7. Olá Ma João,
    Sim, o menos é mais e a simplicidade e as coisas simples são o melhor da vida e é por isso que que o mais balança o menos e assim obtemos o equilíbrio.
    Adoro pesto e como sabes, há imensas variedades de pesto, mesmo em Itália, dependendo da zona, o pesto é feito com produtos diferentes e ainda hoje vi um apetitoso pesto de couve portuguesa no blogue da outra Ma João. Para o pesto, a imaginação é o limite e este teu pesto, verde, vibrante e lindo e confeccionado com esse azeite tão especial, só pode ser divino!
    Beijinhos,
    Lia.

  8. Eu adoro pesto!!
    E sim, os sabores simples, as pequenas coisas aqui combinam na perfeição, num molho perfumado e perfeito 🙂
    Adoro de espinafres e de agrião. E o de beterraba, acho que é o meu preferido.
    Coze-se uma massa e está feito! Less is more e eu concordo.
    Adoro as fotos. Um beijinho.

  9. Das coisas que nunca falta cá em casa e que vai bem com tudo! Só não ponho no arroz doce, ahahah 🙂 Como os pinhões são tão caros, fui experimentando com outros frutos secos, depois com outras folhas, outros queijos e quando dou por mim, sai pesto de tudo e mais alguma coisa. E não é que sabe sempre bem?
    Um beijinho.

  10. Dizia que não gostava de pesto até perceber que pesto não é só de manjericão. Gostei da tua versão que é bem mais barata e deve ter um sabor fantástico, os pinhões estão pela hora da morte! beijos amei as cores

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Nome *