Uma dissertação sobre a chegada do novo membro, acompanhada por uma coroa de chocolate, avelãs e amendoins

Os dias vão passando e a ansiedade aumenta. É inevitável, por melhor ou pior que tenha corrido o parto anterior, a certeza de que está para breve o aumento da família causa sempre alguma ansiedade.

Será que vai ser calma como a irmã? Será que vai sofrer de muitas cólicas? Dormirá bem durante a noite? Será rebelde, irriquieta ou um anjinho? Será loira ou morena? De que cor serão os olhos?… Etc, etc, etc.

Com todas estas dúvidas comuns, surge ainda a preocupação de como é que a irmã mais velha vai reagir. E aqui sim, é que é que “porca torce o rabo”… Cada pessoa tem a sua opinião e, até faz questão de partilhá-la, mesmo que nós, mães, não tenhamos perguntado nada.

“Ahh pois é, agora tens de ajudar muito a mamã!”
“Tem cuidado, a mana vai-te estragar os brinquedos todos.”
“Tens de te preparar para a chegada da mana. Olha que todos os bebés choram muito.”
“Vais mudar as fraldas? Vais ajudar a dar banho? Vais tomar conta dela?”
“Agora é que vai ser, vais deixar de ter todos os miminhos para ti!” (Sim, é verídico, disseram isto à minha filha!)

Bla, bla, bla…
Depois querem que os miúdos não sintam ciúmes dos irmãos mais novos. Juro que não entendo qual a necessidade de fazer este tipo de comentários. Eu tenho feito um trabalho no sentido inverso. E muito menos “desculpo” as birras, chamadas de atenção, mudanças de comportamento da Maria com o facto de estar aí a chegar a mana. Temos conversado muito, falo muito com ela do que vai acontecer, sem nunca dramatizar, mas também sem florir demasiado. Um bebé dá trabalho sim, mas tem de dar trabalho aos pais e nunca aos irmãos mais velhos. A opção de ter um novo bebé foi nossa e não da Maria, por isso ela não tem de se responsabilizar por nada. Tem de cumprir as regras (como sempre), mas essencialmente tem de poder ser ela própria, continuar a ter os seus tempos, as suas birras, a sua infância!

Como tenho falado com ela? Conto-lhe como foi quando ela nasceu. Mostro fotografias e vídeos da época, mostro-lhe que um bebé quando nasce não faz nada a não ser dormir, chorar, comer, fazer xixi e cocó, e agarrar nos nossos dedos. Ela estranha e pergunta: “Nem um abraço a mana vai-me dar quando nascer?”. Quando começamos a falar com os nossos filhos e permitimos que surjam dúvidas, muitas vezes é quando realmente entendemos que a noção da realidade deles é completamente diferente da verdade. Por isso é importantíssimo o diálogo, a conversa e desmistificação.

Faço planos com ela. Digo-lhe vamos as duas abraçar a mana muito. Que a vamos deitar entre nós e vamos cantar músicas para ela. Que vamos contar histórias para ela. E que a Maria pode sim ajudar-me, se quiser, ir buscar uma fralda, ou apanhar e lavar a chupeta que caiu ao chão. Dar-lhe um banhinho, enquanto eu lavo-lhe o corpo, ela põe cheirinho na cabecinha da mana. E ela sorri, encosta a cabeça na minha barriga e sussurra “Mana infinito-te. Estou ansiosa que nasças.”

Agora, que já desabafei convosco, vamos comer uma fatia desta coroa maravilhosa com uma chávena de chá? 🙂

Coroa de chocolate, avelãs e amendoins

Ingredientes massa:
(receita adaptada da Ananás e Hortelã)

2c. de chá de fermento em pó de padeiro
1 gema de ovo L
170 ml de leite morno
40g de manteiga derretida
300g de farinha
1 pitada de sal
2 c. de sopa de açúcar amarelo

Ingredientes recheio:

4 c. de sopa de chocolate de avelãs (tipo nutella)
1 chávena de avelãs picadas grosseiramente
1/2 chávena de amendoins caramelizados picados grosseiramente

Preparação:

Num recipiente colocar o fermento, o açúcar e o leite morno. Misture bem com a vara de arames. Coloque a gema e a manteiga e misture muito bem.
À parte coloque a farinha, previamente peneirada e o sal. Faça um buraco no meio e coloque a mistirua do leite, começando a amassar até descolar das paredes.
Enfarinhe a bancada de trabalho e coloque a massa, amasse bem até formar uma bola. Coloque a massa num local morno, com um pano por cima. Deixe levedar até que dobre de volume. (Eu costumo colocar dentro do forno, desligado, claro.)
Quando tiver levedado estique bem a massa e barre o chocolate. Polvilhe a superfície de toda a massa com as avelãs e os amendoins.
Enrole a massa pelo lado mais comprido. E siga estes passos.
Coloque a massa já enrolada numa forma redonda, previamente untada com manteiga e papel vegetal e leve ao forno pré-aquecido a 180ºC.
Quando estiver a massa bem aloirada retire do forno e polvilhe com açúcar em pó e um pouco de canela em pó. Sirva acompanhado de uma chávena de chá de menta e canela.

Nota de rodapé – Em relação a estas questões de parentalidade, opções e formas de comunicação com os nossos filhos, aconselho a leitura assídua do blogue Mum’s The Boss. Lá encontram dicas fabulosas de como devemos abordar as varíadissimas questões que nos assolam desde que somos pais. 

Uma dissertação sobre a chegada do novo membro, acompanhada por uma coroa de chocolate, avelãs e amendoins Comentários
  1. Falando como mãe de um rapaz de 5 anos e um pequenito de 1 mês, percebo perfeitamente. Ao meu Diogo disseram-lhe, textualmente, "Ai, Diogo, agora acabaram-se os miminhos para ti!". O mano já nasceu, e apesar de o primeiro impacto ter sido menos bom (eu e o pai ficámos 3 dias no hospital com o mano, e ele em casa com a avó. Como é óbvio, não gostou…), desde que viémos para casa com o Lourenço que não temos qualquer tipo de razão de queixa ou preocupação. O Diogo faz birras, faz asneiras, faz tudo tal e qual como fazia antes, e nós reagimos exactamente da mesma forma que reagíamos antes. E os miminhos não acabaram, pelo contrário. Como a mãe está em casa, tem até mais miminhos que antes. Tenho a certeza que no vosso caso vai ser também assim porque, felizmente, quem é determinante na reacção dos manos mais velhos aos manos mais novos são os pais e esses, a Maria tem, nitidamente, de primeiríssima categoria! Uma hora pequenina! 🙂

  2. Lindo, tanta a coroa como a dissertação. 🙂 Estou na mesma situação, daqui a 5 meses tenho mais um bebé que vai encher de alegria esta casa e uma menina que cá fora o aguarda ansiosa.

  3. Há pessoas que de facto não têm senso nenhum e fazem os comentários mais idiotas nestas alturas….enfim, ou se responde à letra ou se ignora e o melhor mesmo é ignorar.
    Tu és uma mãe excelente e uma educadora fantástica!!! Tenho a certeza que a única coisa que vai ser diferente é o facto dessa família maravilhosa crescer e com ela ainda mais amor irá aquecer esse lar.
    Adoro-te e tu és sem duvida, alguma, uma Mulher muito especial que só merece tudo do que ha de bom.

    Essa coroa está de comer e chorar por mais e com chá vem mesmo a calhar

  4. Como diziam os antigos: Se palpite fosse bom, não se dava, vendia. Tenho certeza que sua família só tem a ganhar com a chegada da Mini2! <3

    PS: Manda um pedaço dessa coroa pra cá? 😛

  5. Olá Maria João
    Muito parabéns pelo blogue e pelo novo bebé que vai chegar. Como fiquei cheia de vontade de experimentar a receita, tenho uma dúvida que é qual o fermento que se utiliza. É o fermento em pó ou o fermento de padeiro desidratado? Com o fermento em pó não vai fermentar… Beijinhos

  6. Clavel, adorei a coroa, com chocolate e frutos secos ainda me dá mais vontade de comer uma fatia morninha.
    Quanto à mini penso que as coisas correrão bem, ela é uma menina muito querida e bem educada, e é bom esse diálogo, as coisas acontecerão naturalmente e com amor.
    Um beijinho.

  7. Olá Maria João!

    Que receita maravilhosa… adorei! 🙂 ficou lindíssima a coroa… as tuas pequeninas vão se dar às mil maravilhas tenho a certeza, a mini chef é um amor 🙂

    Venho-te convidar a participares no passatempo do 3º aniversário do meu blogue, trazendo uma receita… as três melhores receitas serão premiadas com livros, e-books e produtos maravilhosos… gostava imenso que participasses 🙂

    http://arcoirisnacozinha.blogspot.pt/2014/10/passatempo-tua-receita-nao-me-e-estranha.html

    Beijinhos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Nome *