{Clavel’s InstaMoments} Big holidays

Tenho andado um pouco ausente do blogue, mas tudo por excelentes motivos. Estive de férias, das melhores férias da minha vida. Conheci muitas cidades, diverti-me imenso e a minha mini portou-se lindamente.
Viajei pelo mediterrâneo, num cruzeiro que fez Marselha (sul de França), Génova (Itália), Nápoles (Itália), Messina (Sicília), Tunis (Tunísia) e Barcelona (Espanha). Nunca tinha feito um cruzeiro, apesar do meu irmão trabalhar em cruzeiros. Este ano resolvemos experimentar e realmente é uma experiência que aconselho a toda a gente fazer, nem que seja uma só vez na vida. O navio é um mundo. Tem de tudo!

É uma cidade ambulante. Tem lojas (de roupa, jóias, papelaria, doces, souvenirs…), cabeleireiro, manicure, spa, ginásio (com máquinas, aulas e ainda possibilidade de ter um PT), piscinas (interiores e exteriores),  lavandaria, vários bares com vários tipos de música ao vivo, restaurantes variados, desde os temáticos aos normais, buffet com uma oferta muito variada, uma sala de teatro gigante onde vimos espectáculos brutais todos a bordo, com performances variadas. Músicos, ilusionistas, dançarinos, acrobatas, malabaristas, enfim, uma variedade incrível. Tem ainda um casino, totalmente equipado, salas de jogos para crianças, adolescentes e adultos. Tinha um carro de fórmula 1, em tamanho real, só destinado a adultos. Jogavam em simulador, o carro abana, vira, embate, como se fosse mesmo real. Para além disto, eles ainda oferecem entretenimento para crianças, o mini club. No início eu não confiei em deixar lá ficar a minha mini, mas conhecemos uns portugueses e ela foi e adorou. Ela fez parte de um espectáculo no navio. Foi mesmo uma experiência fantástica.

Para mim, o que mais gostei, foi de conseguir ir vendo as várias cidades e tentei ir sempre aos mercados locais. Conheci muita coisa nova, as pessoas de uma forma geral foram muito simpáticas comigo. Trouxe produtos muito bons de Itália, como o tomate-seco, o parmesão e presunto de javali. Experimentei foccacia, vendida em barraquinhas de rua, maravilhosa. A cidade que mais gostei, desta viagem foi mesmo Génova. Gostei do ambiente que se respirava na rua. Tudo me pareceu genuíno e não feito para turistas. Almoçamos muito bem lá, num restaurante típico italiano, onde experimentamos uma variedade imensa de homemade pasta. Muito bom! 🙂

Ao contrário de Génova, não gostei de Nápoles. É uma cidade muito suja, com imenso trânsito, muito barulhenta e com pessoas muito mal educadas. Está cheia de lojas de chineses a venderem souvenirs “típicos” de Nápoles…. sim, tão típicos que são made in China. Enfim!

Acabamos por ir visitar Pompeia, uma cidade inteira do Império Romano. Está tudo muito bem recuperado e é incrível a dimensão daquilo. Pompeia, em 79 d.c. foi coberta por uma chuva de cinzas provenientes da erupção do vulcão Vesúvio que dizimou por completo a cidade inteira. As cinzas e a lama conservaram as construções e os corpos, foram encontrados milhares de corpos intactos, inclusive nota-se a expressão de pânico e horror. É verdadeiramente incrível, adorei visitar.

Em Messina conhecemos a catedral que todos os dias às 12:00 a torre principal toca uma música e as suas figuras/estátuas movem-se. Dizem que todos os dias é diferente. Gostei da cidade, tem muita mistura arquitectónica, tem várias mercearias e frutarias, a cidade é limpa. Tive pena de não provar o famoso peixe deles, mas os preços eram proibitivos. Tivemos pouco tempo na cidade e não deu para visitar muito.

Chegamos à Tunísia. Tinha algum receio deste país, pelas histórias que se ouvem e pelo facto de não dominar a língua francesa. A minha experiência neste país não foi das melhores. Mal chegamos a Tunis fomos logo enganados por um local, que nos disse ser trabalhador do navio, e acabou por nos levar a uma loja de perfumes ilegais dele, no meio das ruas estreitas e todas iguais. Foi assustador, pois fomos mesmo enganados. Depois desse episódio houve ainda uma situação dentro de uma casa/loja em que o senhor insistia em mostrar o terraço, mas acendia luzes e abria portas, assustei-me e saí de lá com a minha mini. O meu marido foi, acabou por ir até ao terraço e até era um local bonito. Mas enfim, eu não gostei da experiência. É muita gente, muita confusão, não consigo comunicar com as pessoas, os ideais e formas de pensar deles são muito diferentes do meu e por isso não me senti de todo confortável. Claro que comprei especiarias e objectos típicos de lá. Para souvenirs foi dos melhores locais, sem dúvida.

Barcelona! É sempre bom lá voltar. Não fizemos nenhuma visita em específico, pois tínhamos lá estado durante uma semana a ver tudo o que podíamos. Desta vez andamos nas ramblas, a fazer caricaturas e comprar pequeninas coisas para oferecer aos pequeninos da família. Os meus sogros foram visitar a arquitectura de Gaudi, e para quem nunca foi a Barcelona é mesmo o que sugiro que vejam. É único e maravilhoso.

Nós iniciamos e terminamos a viagem em Marselha. No primeiro dia visitamos a cidade e é uma cidade interessante. Encontrei lojas de antiguidades fantásticas. Tivesse eu hipótese de trazer coisas pesadas, acho que não tinha mãos a medir. Que coisas maravilhosas…. uau! Deu para ficar a olhar e a babar, porque não davam para transportar, mas também não eram para o meu bolso. Eheheh.

E aqui ficam, com um resumo das minhas fabulosas férias. Bastante atarefadas, caminhamos muitos quilómetros, mas valeu muito, muito a pena. A minha mini portou-se como uma verdadeira princesa. Sempre bem disposta, e sem fazer birras. Claro que se cansou e não conseguia caminhar tantos quilómetros. Coitado do pai, que a transportou sempre às cavalitas!

As imagens retratam só uma ínfima parte do que foi esta viagem.
Foi mesmo uma excelente experiência.

Já me seguem no instagram?

{Clavel’s InstaMoments} Big holidays Comentários
  1. Marselha é uma cidade bonita mas há noite é um pouquinho esquisita (assim para os lados do "pouco segura"). Barcelona é um mundo. As restantes ainda não conheço. Mas da proxima vez que voltar a Itália prometi levar o meu pai a Pompeia. Até porque ano passado li um livro sobre os dias que antecederam a erupção do Vesúvio e fiquei ainda mais fascinada com a história!
    E se gostaste das Focaccias italianas, então a minha receita de hoje é mesmo para ti!

  2. Fazer um cruzeiro tem a vantagem de não se perder tempo nas viagens. Andamos com o hotel "às costas", enquanto dormimos. Também fiquei com essa ideia de Nápoles, muito, muito poluída, custava a respirar. E só de pensar que é o local potencialmente mais perigoso da Europa. Com mais risco sísmico e mais densamente povoado. Mas Pompeia compensa. Disseram-me que agora, também estava a sofrer as consequências da crise e a falta de dinheiro estava a prejudicar a sua conservação, não sei se assim é, espero que não… Não conheço Tunis mas compreendo essa sensação de ser enganada, ser levada para sítios que naõ queremos e não dominar a língua , é aflitivo. Mas tudo está bem quando acaba bem e são experiências que ficam para a vida. Vale sempre a pena. Agora espero reportagem completa com fotos e receitas locais 😉

  3. Que delicia Mra. João, só de ler anima e faz sorrir! 🙂
    Adoro viajar e também nunca fiz nenhum cruzeiro. Acho esse percurso realmente especial e lindissimo.
    Dessas paragens só conheço mesmo Barcelona, a minha cidade de eleição.
    Adorei este post.

    Bjinhos

  4. Nem imaginas a inveja (boa) com que fico dessas tuas férias. Amei a descrição e os Instamoments 🙂
    O Nuno tem estado a trabalhar para um cliente que é precisamente um dos maiores transportadores maritimos – a MSC – e temos pensado seriamente em fazer um cruzeiro porque realmente também é algo que queremos muito fazer e o que tu fizeste parece-me um sonho 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Nome *