Gins, mulheres e trabalho!

Ser mulher nos dias que correm é muito melhor e bem mais simples que há poucas décadas. A valorização da mulher, trabalhadora, mãe, esposa, etc, ainda está longe do respeito que acho que todas nós mulheres deveríamos ter. Ainda hoje há descriminação em tantos lados, em tanta coisa que me sinto uma constante lutadora. Sim, sou uma feminista. Com isto não quero nunca anunciar que sou “contra” os homens… não! Eu acho que não sou contra nada, sou a favor de tudo: a favor da igualdade, a favor da vida, a favor do direito de escolha, a favor da paz… enfim, tudo uma questão de perspectiva, não?

Batalho todos os dias para conseguir conciliar todas as minhas imensas tarefas diárias. Noutro dia, em conversa com uma amiga, desabafava pelo facto de ter decidido não fazer algo que me afecta a vida profissional, uma decisão difícil. Nessa conversa eu dizia: “Não consigo, oh pá não dá mais, dou aulas, trabalho feita louca para a cozinha arrancar, tenho o blogue, as parcerias das marcas e não posso desistir de ser mãe.” Ela indignada respondeu: “Nem que pudesses, certo?”

Claro que não, nem pensar. Digo sempre alto e bom som que em primeiro lugar sou mãe e depois vem o resto. Mas isto muitas vezes é bem mais profundo e exaustivo para as mulheres. E não vale a pena pormos “paninhos quentes”, disfarçando que hoje em dia as tarefas são todas super divididas. Felizmente tenho um marido exemplar, que me acompanha em todas as tarefas, que articula comigo horários e distribuimos muito bem o que cada um faz. As manhãs funcionam sempre na perfeição porque a articulação é já mecânica. E ele não me ajuda (palavra que me irrita profundamente), ele faz, tal como eu. Os homens não têm de ajudar, têm de fazer!

Mas… se formos analisar bem a fundo, mãe é mãe. As mães é que sabem aqueles pormenores que ninguém mais sabe: que roupa tem de levar amanhã, quando tem de ir ao médico, que medicamentos tomar quando está doente, que pomada colocar quando fez uma ferida, que chá fazer para acalmar as dores… enfim. Mãe é mãe. (E isto não é uma queixa, acho mesmo que de uma forma geral somos umas privilegiadas.)

Luto sempre por direitos iguais, sabendo que teremos de ser diferentes, porque somos diferentes. O que é uma grande ambiguidade. “Então, minha menina, queres igualdade, mas melhores privilégios?” Sim, claro! Teremos de nos adaptar. As licenças de maternidade são um dos exemplos. Somos nós que engravidamos, somos nós que parimos, somos nós que amamentamos e, isso, é realmente único, muito diferente de ser-se homem. A igualdade neste caso necessita de diferença, para nunca sermos prejudicadas por algo que teremos de fazer, insubstituivelmente: somos nós, só nós! Mas isso não pode afectar a mulher trabalhadora, eficaz, competente, lutadora que está dentro da empresa. Não! Ela tem de ser valorizada e, idealmente, deverá ser admirada. Porque ser-se mulher trabalhadora e com filhos não é fácil… acreditem, não é nada fácil. Tudo altera, tudo modifica e mesmo assim somos capazes. De nos levantar uma hora mais cedo do que necessitaríamos, preparar os pequenos-almoços, arranjar os lanches nas mochilas dos filhos, preparar a roupa, penteá-los, arranjá-los e depois tratarmos de nós. Irmos para o emprego, fazer o trabalho conscientes que temos de pensar o que vai ser hoje o jantar e de preferência comida saudável, receber chamadas da escola porque nos esquecemos de colocar um par de meias, que o filho ía a uma festa de anos e era preciso e de repente “Merda! Não comprei o presente de aniversário.” À hora do almoço ir à loja, comprar a correr levar à escola e voltar a esquecer das meias e saber relativizar: paciência, vai descalço.

E por pensar assim e saber que a empresa do meu marido é a melhor empresa do mundo para se trabalhar, achei que estava na altura de brindar às seis mulheres que colaboram diariamente para o sucesso da mesma. (Eu inclusive, porque acompanho sempre tudo de muito perto). A Clavel’s Kitchen proporcionou às mulheres da E-goi (uma empresa em que 90% do staff são homens) um final do dia a aprender a fazer gin’s, coctkails e umas tapas de comer e chorar por mais. Lá trabalha-se muito, mas são muito recompensados e vê-se na cara de cada um dos colaboradores.

Quem nos presenteou com uma master class foi o talentoso Marco Pereira, dono do bar e restaurante de tapas Kultime em Espinho. O Marco ensinou-nos varíadissimos gin’s tónicos, mostrou-nos várias marcas e vários sabores, águas tónicas super exóticas e combinações muito pouco prováveis, mas fabulosas. Foi um final de tarde espectacular.

Eu, hoje resolvi fazer uma versão minha, usando vários truques que o Marco ensinou.
Este é para vocês, super mulheres!

Gin Tónico de frutos vermelhos, cardomomo e limonete

Ingredientes (para 1 copo)

20 ml de gin tónico (usei Jodhpur)*
25cl de água tónica (pode usar água tónica de frutos vermelhos)
1 casca de limão sem a parte branca
3 sementes de cardomomo (no almofariz esmigalhei-as um pouco para libertar mais aroma)

3 morangos partidos aos pedaços
8 mirtilos congelados
8 pedras de gelo
1 raminho de limonete fresco

Preparação:

Cortar uma casca de limão e com os dedos partir a casca para o óleo passe para o copo. Passe a casca no no interior do copo para dar mais sabor. Coloque 4 pedras de gelo no copo e com a palma da mão tape a parte superior do copo e rode vezes suficiente para que todo o copo fique gelado. Escoe a água que entretanto ficou do gelo.

Adicione os restantes cubos de gelo. Junte a casca de limão, o cardamomo, os morangos e os mirtilos. Junte o gin.

Com a ajuda de uma colher de metal coloque a água tónica escorrendo pela colher, para que a água não perca o gás.

Para finalizar coloque o ramo de limonete.

* Se quiser que o gin tónico fique mais leve, use somente 10ml de gin. 

Obrigada Marco. Foi um prazer enorme aprender contigo.
Não se esqueçam de visitar o bar, restaurante de tapas do Marco, o Kultime, que fica na Avenida 8, 436, em Espinho.

Notas finais:

Haverá na Clavel’s Kitchen, muito brevemente um workshop de gin’s e tapas dado pelo Marco. Fiquem atentos, pois será para breve.

A Clavel’s Kitchen proporciona, também este tipo de eventos para empresas. Se tem uma empresa e quer proporcionar-lhes este tipo de acções, fale connosco, por aqui.

Gins, mulheres e trabalho! Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Nome *